Gabigol em ação pelo Flamengo durante o jogo contra a LDU na Copa Libertadores de 2021 (Foto: Alexandre Vidal/Flamengo)

A semana do Flamengo não está fácil. Depois do empate contra o Fluminense no jogo de ida da final do Campeonato Carioca, o Rubro-Negro negocia a saída de Gerson para o Olympique de Marseille e pode perder um de seus grandes pilares para o restante da temporada. Nesta quarta-feira (19), chega a vez de enfrentar a LDU pela quinta rodada da fase de grupos da Libertadores, no Maracanã, com a possibilidade de garantir a classificação para o mata-mata.

Desde o começo da temporada, a equipe de Rogério Ceni vem mostrando uma certa instabilidade como um coletivo. Enquanto o setor ofensivo continua obsceno e quase perfeito como nos últimos dois anos, a defesa vem se tornando cada vez mais preocupante e, hoje, é uma prioridade que precisa ser resolvida.

Sofrer gols de bola aérea, seja com a bola rolando ou em bola parada, se tornou uma rotina para o torcedor rubro-negro, que agoniza com um problema que não deveria acontecer com tamanho investimento financeiro em reforços para a zaga. Enquanto Rodrigo Caio não consegue engatar uma sequência de jogos por conta de seguidas lesões, Bruno Viana e Gustavo Henrique não conseguem se firmar na posição. Willian Arão, volante de origem, acaba se tornando alvo fácil por não ter os fundamentos básicos de um zagueiro.

De acordo com um levantamento feito pelo “ge”, todos os gols que o Flamengo sofreu em jogadas de bola aérea significam 55,5% dos gols sofridos na atual temporada. Foi assim no empate contra o Unión La Calera, na última rodada da Libertadores, e contra o Fluminense no jogo de ida da final do Campeonato Carioca. E tem sido constante. É visível que quando o Flamengo defende uma situação de bola levantada, o time fica nervoso e quase entregue.

Com a possível saída de Gerson, que já estaria negociando valores de seu contrato com a equipe comandada por Jorge Sampaoli, a preocupação se torna ainda maior. Afinal, caso o Flamengo chegue a contratar uma peça de reposição para substituir o “Coringa”, a tendência é que Willian Arão seja realocado para sua posição de origem. Com a insegurança de Gustavo Henrique, Bruno Viana e Léo Pereira, além da preocupante sequência de problemas físicos de Rodrigo Caio, o setor requer mais atenção ainda.

Retirado de: Esporte News Mundo

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui