A história do esporte é recheada de casos em que algum time ou atleta muito forte teve um momento de vulnerabilidade, poderia ter sido eliminado antes e não foi. Quando chegou a hora H, de uma final, uma semifinal, uma disputa mais adiante, o tal time já estava mais forte e acabou derrotando quem poderia tê-lo eliminado antes.

Acabamos de ver isso acontecer no Paulistão. O Corinthians “classificou” o Palmeiras ao vencer o Novorizontino – para depois ser eliminado pelo Palmeiras. Na Libertadores de 2018, o Palmeiras “classificou” o Boca Juniors ao vencer o Junior Barranquilla na fase de grupos para, depois, ser eliminado pelo próprio Boca na semifinal. Enfim, isso acontece toda hora.

Ontem, o Junior Barranquilla teve a chance de se classificar para as oitavas de final da Copa Libertadores e deixar o todo-poderoso River Plate de fora. Ao Junior, bastava vencer o Santa Fé (que já estava eliminado até da Sul-Americana), em partida disputada em campo neutro. Ficou no 0 a 0.

Nunca houve tanta gente junta torcendo pelo Junior. Será que os torcedores do Atlético Mineiro querem enfrentar o River logo de cara nas oitavas de final da Libertadores? E os do Palmeiras? Ou do Flamengo? Ou do Argentinos Juniors, que ficou em primeiro em seu grupo? É claro que não.

O River é o time mais consistente do continente nos últimos anos. Foi campeão em 2015 e em 2018 e, para serem os últimos campeões, Flamengo e Palmeiras tiveram de sofrer contra o time de Gallardo. É uma seleção mundial? Não, não é. É um time forte. Talvez até menos forte do que os principais brasileiros no papel. Mas é um time que tem estabilidade, um técnico que conhece o clube, o elenco, o que cada um é capaz de fazer.

É lógico que, para os brasileiros, era melhor o Junior ter completado o “serviço” feito pelo Fluminense, que foi lá a Buenos Aires meter 3 a 1 no River em uma partida decisiva (veja os gols abaixo).

A Covid destroçou o River na reta final da fase de grupos da Libertadores. O time só tinha 11 jogadores disponíveis e teve atleta de linha atuando no gol na penúltima rodada (vitória épica sobre o Santa Fé). Contra o Fluminense, alguns estavam de volta, mas era claramente um River debilitado. Tanto que perdeu feio.

Fred foi enorme ao exaltar a dedicação dos jogadores do River Plate e, deixando pequenas bobagens de lado, dizer que torcia pela classificação dos argentinos. Um exemplo de esportividade que tem faltado por essas bandas.

Mas, esportividade à parte, é lógico que é melhor torcer para não ficar no caminho do River no sorteio das oitavas de final. Times que levantam das cinzas, no estilo Fênix, costumam ir longe. Ainda mais times bons.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui