Rodinei é um velho conhecido da torcida do Flamengo, mas chega com status de reforço para a temporada. Após um ano e meio longe, o lateral-direito retorna à Gávea quase que como uma solução imediata para o período em que o chileno Isla será desfalque. Em um ano em que as investidas do Rubro-Negro no mercado foram mais modestas que em oportunidades anteriores, o técnico Rogério Ceni ganha nova opção e o grupo, mais um nome experiente.

Neste período, o jogador esteve emprestado ao Internacional. Agora, em nova passagem pelo Flamengo, Rodinei tenta se consolidar na equipe e mudar a imagem junto à parte da torcida, com a qual viveu uma relação de amor e ódio.

Ele acertou com o Colorado no fim de 2019, com o aval do então técnico Coudet, após um ano em que iniciou sob uma disputa com Pará e perdeu espaço com a contratação de Rafinha. A titularidade durou pouco no começo da passagem por Porto Alegre. Em seguida, Saravia tomou a posição, mas com a chegada de Abel Braga, se tornou titular absoluto e ganhou destaque em uma equipe que conseguiu uma arrancada no Campeonato Brasileiro, fazendo um título que parecia perdido se tornar possível.

Durante a passagem de Rodinei pelo Colorado, houve, claro, um episódio marcante envolvendo o Flamengo. Por um acordo, o clube gaúcho deveria desembolsar R$ 1 milhão para colocá-lo em campo na decisiva partida entre os times na última penúltima rodada do Campeonato Brasileiro. Um torcedor do Inter resolveu doar a quantia ao clube. Rodinei, porém, acabou expulso após falta em Filipe Luis. A equipe de Rogério Ceni triunfou de virada e se aproximou do título, conquistado na última rodada.

Na atual temporada, já sob o comando de Ramírez, era o líder de assistências e um dos protagonistas do time. Ao todo, no Beira-Rio, foram 52 partidas, sendo 46 como titular. Internamente, a diretoria do Internacional chegou a demonstrar intenção na permanência, mas a situação financeira não permitiu a investida — a opção de compra dos direitos estava na casa de R$ 18 milhões.

Rodinei presta homenagem à filha em comemoração de gol do Inter - Ricardo Duarte/Inter - Ricardo Duarte/Inter
Imagem: Ricardo Duarte/Inter

Ceni, por sua vez, chegou ao Flamengo em novembro, quando Rodinei já não integrava o plantel. Agora, o comandante ganha esta alternativa, a segunda caseira em alguns dias, uma vez que o volante Piris da Motta, então emprestado ao Gençlerbirligi, da Turquia, também retornou. Recentemente, o treinador lembrou que, desde a sua contratação, houve apenas o acerto com o zagueiro Bruno Viana, e revelou conversas com a cúpula por “dois ou três nomes”.

Rodinei, que treinou forte já no primeiro dia e recebeu elogios pelo desempenho, chega em um momento importante. Com as datas Fifa, o Rubro-Negro terá inúmeros desfalques, dentre eles, Isla. O chileno também não atravessa um momento incontestável na Gávea.

O jovem Matheuzinho também desponta como concorrente à lacuna e já foi titular em algumas partidas em 2021, tendo bom desempenho. Porém, a comissão técnica adota calma em relação ao jovem. Até aqui, foram 16 jogos, sendo 10 pelo Carioca, competição que o Fla usou, em algumas rodadas, equipes alternativas.

Bom de vestiário, Rodinei reencontra companheiros com os quais atuou em um passado não muito distante. Na reapresentação, foi cumprimentado por diversos integrantes do grupo e alvo de brincadeira do meia Diego, um dos líderes do elenco.

“O Rodinei é jogador do Flamengo com contrato até 2022. Há de se destacar que ele fez um grande campeonato no Inter e foi vice-campeão brasileiro, disputou com o Flamengo até a rodada final e pertence ao clube. Se for do desejo do Flamengo que o atleta seja reinserido, nós vamos trabalhar com ele com o maior prazer. É uma questão de decisão da direção do Flamengo. Ele estando aqui… Todos já conhecem o Rodinei. Ele trabalhou com a maioria dos jogadores que estão aqui e nós vamos trabalhar com ele com o maior prazer”, disse Ceni, em abril.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui