Rodolfo Landim durante entrevista coletiva na Gávea (Foto: Agência Foto BR)

Em equipe multicampeã pelo Flamengo, a premiação paga aos jogadores e funcionários é um assunto que costuma ficar em evidência. Na gestão de Eduardo Bandeira de Mello, haviam metas pré-estabelecidas referente às colocações finais nos campeonatos em que o clube estivesse disputando.

A premiação fornecida pelo rubro-negro era muito criticada externamente, uma vez que a torcida achava justo que o repasse fosse feito apenas em caso de conquista de título. Em entrevista ao podcast Folha Seca, de Portugal, o presidente Rodolfo Landim contou que vem tentando alterar este processo.

— Entre os atletas, o que a gente tentado fazer, é atrelar a remuneração a uma parcela bastante razoável de remuneração variável em função dos resultados. Ou seja, a medida que os anos vão passando, esse já é o terceiro ano que eu estou aqui, o que a gente foi modificando foi cada vez mais, concentrando, e aumentando a premiação quando os jogadores conseguem ganhar os campeonatos e reduzindo a parcela de remuneração variável em caso da vitória do título não acontecer.

— Antigamente os jogadores acabavam recebendo uma remuneração que era uma parcela da remuneração que o clube ganhava de premiação pelo campeonato. Hoje eles podem ganhar mais do que o clube pode receber de premiação desde que eles ganhem o campeonato. Se eles não ganharem o campeonato, não vão ganhar remuneração nenhuma.

Vale lembrar que as entidades esportivas costumam premiar os clubes de acordo com as fases vencidas dos torneios ou por colocação final, como é feito no Campeonato Brasileiro. Neste caso, se desclassificado ou qualquer posicionado em qualquer lugar que não seja o título, o planejamento do presidente é que jogadores e demais membros do departamento de futebol não recebam qualquer premiação.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui